Kepler Weber > Mensagem da Presidência

A SUPERAÇÃO É DA NOSSA PRÓPRIA NATUREZA

GRI 102-14

Quando olhamos em perspectiva as realizações do período 2018/19 fica nítida a nossa prioridade em aumentar a rentabilidade no curto prazo. A justificativa é muito clara, entendemos a importância de garantir resultados robustos para sustentar os investimentos necessários ao passo seguinte: o desdobramento da estratégia de médio e longo prazo. 

Esta estratégia se mostrou ainda mais acertada quando nos deparamos em fevereiro de 2020 com a Covid-19. As demandas imediatas não previstas exigiram a revisão de investimentos, em um cenário de contingência com a interrupção total ou parcial das atividades produtivas e comerciais. Devido à pandemia, as novas medidas abrangeram a criação de uma infraestrutura em tecnologia para suportar a operação remota e a sanitização e prevenção com EPIs para os nossos colaboradores.  Felizmente garantimos até aqui a segurança de todos. Também nos engajamos com as administrações municipais onde estão localizadas nossas principais operações. 

Os reflexos da Covid-19, em toda a sua extensão, só serão percebidos no longo prazo e, por isso, temos que seguir com todo empenho, contribuindo para a retomada econômica no Brasil e nos países onde estão nossos clientes.

Isso será possível graças ao grande movimento em toda a estrutura e operação da Kepler Weber, realizado ao longo de 2018 e 2019. Um período com grandes avanços para a companhia. Mudamos processos que nos levaram a melhores níveis de produtividade; revisamos o posicionamento de mercado e diversificamos o portfólio; e atualizamos nossa estrutura de governança, sempre comprometidos com as boas práticas e a confiança dos acionistas. Estamos mais preparados para ir em frente.

A cadeia de valor do agronegócio deve continuar sendo nosso principal mercado de atuação, pois enxergamos um grande potencial para os sistemas de armazenagem de grãos e movimentação de granéis sólidos.

O escoamento da safra atual foi assegurado pelo governo federal a despeito da Covid-19 devido ao risco de desabastecimento. Entretanto, nossa visão de longo prazo se baseia em fatos que não se alteram no curto prazo: o Brasil não pode seguir com um déficit de 33% em armazenagem de milhões de toneladas de grãos (Conab). A safra de grãos 2019/20 deve atingir mais de 250 milhões de toneladas, enquanto a capacidade estática de armazenagem no país é de 169,8 milhões. Se o agronegócio vem batendo sucessivos recordes e há uma demanda global por alimentos, é um contrassenso não investir em sistemas de armazenagem.

Não só a economia é afetada com a perda de toneladas de grãos a cada ano. A pressão sobre os produtores para escoar tudo na hora da colheita gera impactos ambientais e sociais. Nos Estados Unidos, por exemplo, mais de 54% da produção são armazenadas na propriedade rural, enquanto no Brasil, este índice é de apenas 16%.

A sobrecarga do sistema brasileiro de escoamento da produção padece de mudanças estruturais que incluem alterações no modal de transporte do país. O fato concreto é que o governo vinha se movimentando para criar condições de ampliação da malha ferroviária e pluvial com concessões e Parcerias Público-Privadas (PPP). 

No setor de armazenagem de grãos, historicamente, os investimentos são originados pelo governo federal. As medidas anunciadas em abril de 2020 incluem novas linhas de crédito para pequenos e médios produtores, incluindo cooperativas e cerealistas. Um segmento importante para Kepler Weber.

Desde o fim de 2019, estamos acompanhando o que parece ser um novo cenário, no médio e longo prazo, com a participação do capital privado, por meio da economia real. Os sistemas de armazenagem, como ativos para fundos imobiliários, devem se manter atraentes. Este novo player deve ajudar a aquecer o mercado.

Atualmente, as exportações representam cerca de 10% da receita líquida da Kepler Weber e buscamos aumentar a nossa exposição, alinhados com a estratégia de diversificação de mercados. Já ocupamos a liderança do setor de equipamentos para armazenagem de grãos na América Latina. Nos últimos anos, a instabilidade enfrentada por alguns países tornou o cenário econômico latino-americano menos favorável à importação. Contudo, mantemos a nossa visão de longo prazo e acreditamos na importância da região.

Como fornecedores de equipamentos, nosso objetivo é agregar sempre mais qualidade ao produto e, consequentemente, entregar mais valor ao cliente. Um exemplo é a linha voltada à automação. Ela permite que o produtor rural extraia benefícios adicionais dos equipamentos, além daqueles intrínsecos, como qualidade do grão armazenado.

A automação tem a capacidade de coibir desperdícios, seja de energia, de materiais ou de tempo. Se pensamos que a gestão online elimina a necessidade de deslocamentos entre as várias unidades de armazenagem, reduzindo emissões de gases de efeito estufa, isso é falar de sustentabilidade.

Atentos às recentes análises políticas e econômicas, entendemos o significado deste período que atravessamos e os desafios para a macroeconomia em escala global. Mantemos uma visão realista e, acima de tudo, resiliente. A Kepler Weber protege e fortalece não só os colaboradores, mas também as suas famílias e toda a cadeia produtiva. Acreditamos que juntos temos mais condições de superar os desafios. Afinal, uma companhia que acaba de completar 95 anos entende a superação como sua própria natureza.

Piero Abbondi
CEO Kepler Weber